sábado, 18 de fevereiro de 2012

Babes in Toyland: Biografia



A banda babes in Toyland foi formada, em 1987 em Minneapolis, por Kat Bjelland mentalizadora, criadora, vocalista e guitarrista da banda.

Kat formou sua primeira banda em 1985, o Sugar Baby Doll, com Jennifer Finch (que mais tarde formou o L7) e Courtney Love(que formou o Hole) em San Francisco.

O Sugar Baby Doll teve apenas alguns ensaios durante algum tempo, a banda nãu foi para frente, e em 1987 a idéia de seguir carreira numa banda fica mais séria e Kat e Courtney se mudam para Minneapolis na intenção de formar uma nova banda.

Em Minneapolis, Lori Barbero, baterista juntou-se as duas e o Babes In Toyland estava formado, com Kat na guitarra e vocal e Courtney no baixo.

Courtney não durou muito na banda, devidas opiniões diferentes e rixas com Kat.

 Michelle Leon que fazia parte do Hole, se tornou a nova baixista da banda de kat, e o Babes In Toyland fez sua estréia com o compacto “House/Arriba” para o Single’s Club da Sub Pop em 1990, que trazia artistas como Nirvana, L7, Mudhoney entre outros.
Jennie finch, kat e Courtney no Sugar Babby Doll

 No mesmo ano veio o primeiro álbum “Spanking Machine”, gravado com Jack Endino no estúdio Reciprocal em Seattle, lançado pela Twin/Tone de Minneapolis.

O Babes In Toyland tinha influência do punk, mas as músicas eram estruturadas de maneira desencontrada, alternando trechos rápidos e lentos.

O disco repercutiu bem, especialmente na Inglaterra, onde o estilo da banda chamou a atenção.

No ano seguinte, o EP “To Mother” chegou as lojas trazendo como destaque “Mad Pilot” e “Catatonic” e a banda pouco a pouco tornava-se conhecida no circuito independente.

Na Inglaterra, numa época em que reinavam os shoegazers, músicos que se apresentavam discretamente olhando para baixo enquanto tocavam, o estilo agressivo e aberto de Kat era uma revolução.

O jeito de vestir era um capítulo à parte, o ‘uniforme’ de Kat, eram vestidos tipo babydoll, maquiagem exagerada e sapatos ao estilo boneca, o estilo que foi batizado de kinderwhore pela mídia.

Ironicamente, tanto o Babes In Toyland quanto o Hole chamaram a atenção do Sonic Youth, e por intermédio, o Babes In Toyland assinou com uma grande gravadora, a Reprise.

Kim Gordon e Lee Ranaldo do Sonic Youth se dedicaram pessoalmente aos seus novos afilhados, Kim produziu o álbum de estréia do Hole, "Pretty On The Inside", enquanto Lee foi o produtor de “Fontanelle” o álbum definitivo da banda de Kat Bjelland.

O som ficou mais limpo e profissional sem perder a pegada agressiva da banda, com destaque para a bateria de Lori Barbero, que desenvolveu um estilo próprio que ela chamava de tribal.

O disco marcava também a estréia da nova baixista Maureen Herman, que substituiu Michelle Leon sem traumas pouco antes das gravações.

Mas o centro das atenções em Fontanelle era Kat, com seu vocal gritado alternado com sussurros insinuantes. “Bruise Violet”, uma homenagem a Courtney, era o carro-chefe, chegando a ter seu videoclip bastante rodado na MTV.

Destacavam-se também músicas como “Blood” e “Spun”.

A maior surpresa era “Quiet Room”, uma misteriosa e delicada música instrumental.

Com o surgimento de mais bandas integradas por mulheres ou com mulheres na formação, o sub-gênero das riot grrrls, que passou a ganhar amplos espaços na mídia. Associado a essa cena, o Babes In Toyland passou a ser ainda mais reconhecido.

maurren herman
Em 1993 o Babes In Toyland foi convidado (pelo Sonic Youth) a participar do Festival Lollapalooza, na época o principal festival itinerante do rock americano.

Para marcar a participação na turnê foi lançado o EP “Painkillers”, contendo uma regração de “He’s My Thing”, algumas músicas inéditas e faixas ao vivo.

No entanto, apesar de todo o destaque, a postura e som anticomercial não fizeram do Babes In Toyland uma banda popular.

Verdade seja dita, nenhuma banda riot grrl chegou ao estrelato, com exceção do Hole, que popularizou seu som a partir do álbum "Live Through This" e era odiado por boa parte das seguidoras do riot grrrl.

Após o Lollapalooza o Babes In Toyland estava em alta, mas o próximo disco só ficou pronto dois anos depois, Nemesisters, lançado em maio de 1995.

No terceiro e ultimo disco Nemesisters, o Babes In Toyland apostava em uma sonoridade mais tradicional do hard rock, ainda pesado, mas bem menos brutal que nos trabalhos anteriores.

O primeiro single, “Sweet 69”, evidenciava os novos caminhos da banda, baseado em riffs bem marcados.

Mas Nemesister também trazia uma série de covers bizarras. Uma delas a balada melacueca “All By Myself”, de Eric Carmen (gravada até por Celine Dion), cantada de forma propositadamente irritante por Kat.

Kat
“Deep Song”, imortalizada por Billy Holiday ganhou curiosa versão acapella com Lori no vocal.

Para fechar o trio de covers, “We Are Family”, hit da era disco, que virou um pop-rock suingado na versão do Babes In Toyland.

Nemesister não teve uma boa divulgação e recepção da crítica não foi boa.

Para piorar, a Reprise escolheu “We Are Family” como single, confundindo os fãs. Após um ano de turnê a banda anunciou que estava se separando para se dedicar a novos projetos.

Kat formou o Katastrophy Wife, ao lado do marido Glen Mattson, enquanto Lori formou o Eggtwist.

Em 2000 foi lançado o álbum “Lived” pela gravadora Almafame, com uma série de faixas extraídas da turnê do Lolapalooza.

Para comemorar o lançamento, a banda fez um show em Minneapolis, que também acabou virando disco um ano mais tarde, batizado “Minneapolism”.

Estranhamente a Alamfame colocou no mercado quase simultaneamente mais três discos (!), “Devil” e “Viled”, duas compilações de músicas ao vivo e “Further Adventures of Babes In Toyland”, uma espécie de best of dos três lançamentos anteriores.

Como se não bastasse, saiu mais uma coletânea, Natural Babe Killers, pela gravadora Snapper.

Na Inglaterra foi lançado o álbum BBC Sessions, cobrindo as apresentações do Babes In Toyland no programa de John Peel, terminando com a avalanche de lançamentos discutíveis no mercado.

Em 2001, animada pela repercussão do show de Minneapolis, Kat Bjelland agendou uma turnê européia para o Babes In Toyland.

O detalhe é que ela não convidou Lori e uma das baixistas originais, optando por músicos contratados.

Lori ficou sabendo da turnê pela imprensa e ameaçou processar Kat pela empreitada.

Os shows foram cancelados e foi o fim definitivo do Babes In Toyland, num episódio lamentável.







Texto Original: www.letras.com.br

2 comentários:

  1. Olha ai o começo do Hole e do L7...adorava monster. A Curtney é do tipo que não da certo em banda nenhuma mesmo. Tenho que vir mais aqui, ja que você posta bigrafias de bandas e adoro ler isso. Abraço e continua ativa lá na blogosfera !

    ResponderExcluir
  2. sim, é sempre chato pois, de uma maneira ou de outra acreditámos que aqueles sim eram os nossos amigos, cuja nossa confiança foi posta e investida. Acho que infelizmente já passámos todos por isso, e como dizes o segredo está em esperar que o nosso "amigo" se revele realmente nosso.

    agradeço imenso todos os elogios feitos ao "Smile To Me" (: e devo dizer que acho o teu blog um dos melhores mesmo, desde o design super original e cuidado aos posts magníficos. (:

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...