sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Coisas da poesia ultraromântica

Alvárez de Azevedo

"Sou o sonho de tua esperança,
Tua febre que nunca descansa,
O delírio que te há de matar!"

Considerado um clássico do Romantismo no Séc.XIX, Alvarés de Azevedo (1831-1852) foi o melhor representante da poesia ultra-romântica brasileira  viveu apenas vinte anos, mas  marcou nossa literatura com contos e poesias cheios de situações e morte e paixões doentes.

Obras Literárias:
* Lira dos Vinte Anos: Poema
* Poesias Diversas: Poema
* O Poema do Frade: Poema
* O Conde Lopo: Poema
* Noite Na Taverna: Prosa-Narrativa
* O Livro de Fra Gondicário: Prosa diarística
* Macário: Teatro

Noite na Taverna

Narra a história de  jovens embriagados, que contam casos de paixão, morte, crime, aventuras sexuais e violência,uma mistura de poesia e tragédias pessoais provocadas pelas paixões insanas dos personagens, confundindo-se realidade e delírio deixando o leitor surpreso com o fim da narrativa, é possível observar em  Noite na Taverna influencias de Lord Byron, Shakespeare, pensadores e poetas globais da epoca.



Lira Dos Vinte Anos

Escrito num momento em que Alváres já presentia que sua morte, sendo finalizado com a mesma, práticamente todos os poemas são cheio de versos pessímistas, ardentes de paixão, desilusão com a vida e melancolia constante. Os poemas que eu considero como fundamentais deste livro são: Sonhando,Lembrança de Morrer, Minha Musa, Malva-Maçã, Se eu morresse amanhã!,este último merece total atenção, pois o poeta escreveu poucos dias antes de sua morte e é  também um dos seus poemas mais conhecidos e que foi lido no discurso de seu funeral por Joaquim Manuel De Macedo.
A Obra literária de Alvares de Azevedo é rica e muito interessante, mas infelizmente pouco conhecida da nossa geração, devido sua linguagem e escrita diferente da usada pelos jovens de hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...